free website hit counter

AJUDE - AÇÕES


SuaEmpresa.COM + Construtor de Site! Por menos de R$ 24,90/mês. Entre em contato!

[$$ COMPRE BITCOIN E OUTRAS MOEDAS DIGITAIS COM CARTÃO DE CRÉDITO $$]

Qual seu Estado ? Cidade:

CIDADE - ESTADO

Voluntarios Continuam A Chegar Seja Para Triar Roupa Ou Dar Um Abraco Em Pedrogao Grande


Fonte: http://www.dnoticias.pt/pais/voluntarios-continuam-a-chegar-seja-para-triar-roupa-ou-dar-um-abraco-em-pedrogao-grande-YC1721122


Voltar

Voluntários continuam a chegar, seja para triar roupa ou dar um abraço em Pedrógão Grande Voluntários continuam a chegar, seja para triar roupa ou dar um abraço em Pedrógão Grande Agência Lusa / Pedrógão Grande / 16 Jul 2017 / 10:23 H. Um mês depois do incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande e da ‘avalanche’ de ajuda às populações, continuam a chegar pessoas um pouco de todo o país à zona afetada, seja para triar roupa ou para dar um abraço. Nas primeiras semanas, muitas das aldeias que estavam habituadas a ver meia dúzia de carros a passar por dia registaram um movimento de viaturas pouco comum, para entregar roupa e comida, juntando-se também muitos voluntários pelos centros de recolha para fazer triagem de roupa e criar ‘kits’ de higiene ou de alimentação. Um mês depois do início do fogo (17 de junho), que se alastrou a vários concelhos, a ajuda continua a chegar, mas a alimentação ou a roupa deixaram de ser uma prioridade (há até roupa em excesso) e as populações pedem outro tipo de coisas: sementes, plantas ou apenas o tempo de anónimos para ajudar na limpeza dos quintais ou anexos queimados. Ana Pinto já vai na sua terceira visita ao território afetado. Desta feita, na companhia de mais sete colegas de uma escola de Coimbra, foi até Pobrais, Pedrógão Grande (distrito de Leiria), não para triar roupa ou para dar alimentos, mas para ouvir as pessoas. “Mais do que dar o que quer que seja, queríamos estar com as pessoas. Mais importante do que os mantimentos, nesta fase, é o estar, o dar um abraço, o conversar”, contou à agência Lusa a docente, frisando que as pessoas “têm sempre a porta aberta para falar”. Segundo Ana Pinto, as pessoas afetadas “dão muito valor a quem as ouve sobre aquilo que passaram”. Pela zona que sofreu o impacto das chamas, as professoras vão distribuindo por onde é necessário “companhia ou um abraço”, sendo ajudadas por locais, que lhes apontam os sítios onde devem ir. Foi com o intuito de escutar as pessoas que Eduardo Marques, em conjunto com assistentes sociais, criou o Centro de Escuta Ativa. Equipas constituídas por assistentes sociais e psicólogos já se deslocaram ao terreno para ouvir as populações afetadas. “As pessoas querem falar e querem ser escutadas. Precisam de atenção”, frisou Eduardo Marques, de Coimbra, sublinhando que a resposta pretende estender-se no tempo, com atividades na área da arte-terapia ou na criação de oportunidades de negócio. O coordenador do voluntariado da organização Médicos do Mundo na Castanheira de Pera, Paulo Silva, disse à Lusa que nesta fase o número de voluntários “esmoreceu um pouco”, mas que, mesmo assim, se registaram mais de 100 voluntários na última semana. Até 06 de julho, houve mais de mil voluntários envolvidos, mas o trabalho continua, seja na “preparação de ‘kits’, triagem de roupa, acolhimento de pedidos de apoio psicossocial, organização da dispensa, ajudar nas descargas ou ir para o terreno fazer levantamentos”, explanou. Pela Castanheira de Pera, Paulo Silva já encontrou “estudantes, assistentes sociais, pedreiros, canalizadores, psicólogos, enfermeiros, professores e gestores” que ajudam na missão de apoio às populações afetadas, alguns utilizando dias de férias ou fins de semana. O responsável lançou ainda um apelo para que não se envie mais roupa, pedindo antes bens de limpeza e higiene, tintas ou sementes. “Tem continuado a aparecer gente”, nota Dina Duarte, de Nodeirinho, reafirmando a necessidade de plantas, flores e hortícolas, assim como ajuda para limpar “naquilo que é necessário”. Também Fátima Antunes, de Mó Pequena, em Pedrógão Grande, frisa que não é necessário nem roupa nem alimentação, antes “sementes e plantas” para a região voltar a ter verde. “As pessoas estão cheias de mercearia para o mês todo”, notou, apelando ainda a que os voluntários não se concentrem nas aldeias mais mediatizadas. A residente da aldeia de Mó Pequena, que perdeu animais e muitas das suas plantas, sublinha que as pessoas até podem não levar nada: “Apenas deem um pouco do seu trabalho e ajudem a limpar os terrenos”. Tópicos Outras Notícias Rua Dr. Fernão de Ornelas, 56 - 3º 9054-514 Funchal Portugal Geral +351 291 202 300 Secretariado +351 291 202 342/3 Assinantes +351 800 200 020 Cartas do Leitor [email protected] Redacção [email protected] Publicidade [email protected] Copyright © 2017 Empresa Diario de Notícias, Lda. Todos os direitos reservados.
... ++ Mais

TAGS:

Voluntários continuam chegar seja para triar roupa abraço Pedrógão Grande Voluntários continuam chegar seja para triar roupa abraço Pedrógão Grande Agência Lusa Pedrógão Grande 2017 10:23 mês depois incêndio deflagrou Pedrógão Grande ‘avalanche’ ajuda populações continuam chegar pessoas pouco todo país zona afetada seja para triar roupa para abraço. primeiras semanas muitas aldeias estavam habituadas meia dúzia carros passar registaram movimento viaturas pouco comum para entregar roupa comida juntando-se também muitos voluntários pelos centros recolha para fazer triagem roupa criar ‘kits’ higiene alimentação. mês depois início fogo junho) alastrou vários concelhos ajuda continua chegar alimentação roupa deixaram prioridade (há até roupa excesso) populações pedem outro tipo coisas: sementes plantas apenas tempo anónimos para ajudar limpeza quintais anexos queimados. Pinto terceira visita território afetado. Desta feita companhia mais sete colegas escola Coimbra até Pobrais Pedrógão Grande (distrito Leiria) não para triar roupa para

HTML Box Comentário está carregando comentários ...